Coorpol – Virada das Montanhas

Café Fair Trade . Minas Gerais . Brasil

Manhuaçu: Feira livre sem agrotóxicos no Bom Pastor

A feira livre que funciona aos sábados pela manhã, anexo ao Estádio Juscelino Kubitschek, no Bairro Santo Antônio, vai deixar de ser a única em Manhuaçu. Uma nova feira de hortifrutigranjeiros está sendo preparada e começa a funcionar em breve. A iniciativa da Prefeitura de Manhuaçu, por meio da Secretaria de Agricultura, além de facilitar a vida dos consumidores com uma nova alternativa, também visa incentivar os agricultores.

Segundo o secretário de Agricultura, Sandro Tavares, a implantação da nova feira era um sonho dos produtores de hortifrutigranjeiros e de toda a população. “Desde que assumimos o cargo a preocupação foi sempre em promover uma diversificação da produção através do incentivo, mas para que possa haver o incentivo é preciso também criar meios para comercialização dos produtos” – lembrou.

Manhuaçu possui um grande número de produtores que hoje não tem acesso à Feira Municipal do JK devido ao espaço e número de box todo completo. “Pensamos uma maneira de abrir novo espaço para que este produtor que estamos incentivando a investir mais tenha um meio para o escoamento de sua produção” – destacou Tavares.

A criação de mais uma feira livre foi apoiada pela EMATER – Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural, CMDRS – Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, COORPOL – Cooperativa Regional da Indústria e Comércio de Produtos Agrícolas do Povo Que Luta – e representantes de sindicatos.

Os grupos de famílias agricultoras atendidas pelo PNAE – Programa Nacional de Alimentação Escola e o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos, que recebem acompanhamento da Secretaria de Agricultura e EMATER no cultivo e produção dos alimentos, serão responsáveis pelo abastecimento e comercialização na feira.

Local e dia de funcionamento

A feira vai funcionar em um local oposto à atual e trabalhar a comercialização de produtos isentos de agrotóxicos, hortifrutigranjeiros de melhor qualidade. “Queremos que o produto saia da zona rural, onde é produzido, diretamente para a feira e a mesa do consumidor, com a garantia que ele está adquirindo um produto de boa qualidade” – afirmou Sandro Tavares.

Os agricultores estão produzindo os alimentos que serão comercializados na futura feira, seguindo as orientações da Secretaria de Agricultura e EMATER. Inicialmente estão cadastrados 55 produtores que recebem o acompanhamento e incentivo para a produção.

Para definição de local, dia e horário de funcionamento da feira, foi feita uma pesquisa de levantamento na cidade, principalmente junto aos moradores da região onde será instalada. “Objetivo era saber o que era melhor para os consumidores. Nós chegamos à conclusão, através destas informações da pesquisa, que o melhor dia seria a sexta-feira e o horário, à partir das 16h até as 20 horas. O local definido para a feira é a área do Viva Vida, no Bairro Bom Pastor, aproveitando o amplo espaço, bem aberto e de fácil acesso e visualização – comentou o secretário.

As barracas para a nova feira serão adquiridas através de processo licitatório, que está em andamento. A Secretaria de Agricultura aguarda apenas a finalização da licitação para aquisição das barracas, a entrega dos equipamentos e a marcação da inauguração, para o início do funcionamento da feira. A expectativa é que até julho ela comece a funcionar.

Nova feira fortalece PAA e PNAE

O extensionista agropecuário da EMATER, Paulo Cesar de Assis Pires, destacou que a iniciativa de implantação da nova feira livre fortalece o incentivo a horticultura e fruticultura. “O município tem uma gama muito grande desses produtos e também uma demanda para consumo considerada alta” – destacou.

A nova feira livre terá somente agricultores familiares que trabalham o chamado sistema SAT, ou seja, sem agrotóxicos, com produtos orgânicos. A maior produção está concentrada nos distritos de Sacramento e Vila Nova, regiões mais próximas do Ceasa de Caratinga, local de maior escoamento da produção até aqui. Além destes locais, produções de outras comunidades também serão direcionadas para a nova feira livre.

A produção de hortifrutigranjeiros cresceu em Manhuaçu nos últimos anos, com os trabalhos feitos nas comunidades em relação as hortas domésticas. O PAA e o PNAE fomentam os produtores e garantem o escoamento de parte da produção. Somente o PAA tem em torno de 36 famílias cadastradas. Mais famílias estão interessadas e devem aderir aos programas em breve. A produção pode ser direcionada também para supermercados e outras feiras livres no município.

No total para este ano de 2015, com a entrega de alimentos iniciada em janeiro, a previsão é de repasses de aproximadamente R$ 300 mil durante o ano. As 36 famílias atendidas estão ligadas a três entidades. São elas a Associação de Mulheres de Vila de Fátima, Associação de Mulheres da Serra do Ouro e a Associação Comunitária do Córrego Diniz.

Os alimentos produzidos pelas famílias atendidas pelo PAA são direcionados para oito entidades. São elas o Asilo São Vicente de Paula, a FUMAPH, a creche do Engenho da Serra, a Fundação Espírita Rodolfo Henriques, a APAE, Núcleo do Câncer, CRAS e Associação de Mulheres de São Pedro do Avaí.

*Fonte: Manhuaçu News

Conteúdo relacionado: Notícias


COORPOL - Cooperativa Regional Indústria e Comércio de Produtos Agricolas do Povo que Luta - Minas Gerais - Brasil » Fazer login » DoDesign-s Design & Marketing